02 de Junho de 2011

A Sol Cativante, empresa formada por administradores da Martifer Solar, obteve mais três lotes fotovoltaicos de 2 MW na segunda fase de adjudicação da Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), a juntar aos 17 lotes que já tinha obtido no final de 2010. À semelhança da primeira fase, a empresa foi a que apresentou uma maior contrapartida por lote, desta feita em torno dos 1,15 milhões de euros.

O concurso atribui ainda dois lotes à Port Sun Energy e dois lotes ao consórcio formado pela Futursolutions,Scheuten Solar Ibérica e Empresa Solar Aplicada. Ao todo, a DGEG recebeu cerca de 7,36 milhões de euros em contrapartidas pela segunda adjudicação de licenciamento fotovoltaico. No conjunto das duas fases, o valor total de contrapartidas financeiras rondou os 93,9 milhões de euros, por 59 lotes atribuídos (118 MW).

No entanto, nem tudo são rosas para as contas do Estado, já que o processo de licenciamento tem sido afectado por falta de financiamento dos próprios promotores. «Os promotores não têm comparecido à marcação dos lotes, essencialmente por dificuldades de financiamento das entidades», admitiu o director-geral da DGEG, José Manuel Perdigoto, ao jornal Água&Ambiente, em Maio.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/
publicado por adm às 22:34

01 de Junho de 2011

Fabricante de Hong Kong lança em Portugal a sua primeira unidade de produção na Europa, depois de já ter equipado uma das maiores centrais fotovoltaicas do País, no Alentejo.

 

A fabricante chinesa de painéis solares fotovoltaicos Upsolar completou hoje a instalação de uma fábrica em Braga, que terá capacidade para produzir anualmente equipamentos com uma potência até 30 megawatts (MW), o que equivale a cerca de um quinto da potência fotovoltaica já operacional no mercado português. 

Esta nova unidade industrial será a primeira fábrica da Upsolar na Europa, vindo somar-se às instalações que a empresa já tem na Ásia, informou em comunicado a Upsolar, companhia fundada em Hong Kong em 2006. 

“A Upsolar alcançou um rápido crescimento pela Europa nos últimos anos e antecipamos que esta tendência continue nos próximos anos. A nossa nova plataforma de produção em Braga irá aumentar ainda mais a capacidade da Upsolar de ir ao encontro da procura crescente pelos nossos produtos neste continente”, sublinhou o CEO da Upsolar, Zhe Jiang, no mesmo comunicado. 

Este não é o primeiro contacto da Upsolar com o mercado português. A fabricante chinesa já forneceu, por exemplo, a central fotovoltaica de 12 MW que a Generg instalou em Ferreira do Alentejo. 

As operações europeias da Upsolar são coordenadas a partir dos escritórios em Paris. A empresa chinesa está ainda presente em Itália, Alemanha, Grécia e Reino Unido. 

Em Portugal existem já várias fábricas de equipamentos para a produção de electricidade a partir do sol. São os casos da Martifer Solar, Solarplus, Lobo Solar, entre outras.

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/

publicado por adm às 22:57

22 de Maio de 2011

Compre equipamentos certificados, instalados por profissionais certificados, para assegurar uma garantia de 6 anos e a possibilidade de incluir os painéis no cálculo da classe energética da sua casa.

 

 

Consulte vários estabelecimentos e analise as condições propostas. Verifique ainda se pode instalar o sistema em casa. Para uma família de 4 elementos, precisa de um telhado ou terraço com cerca de 5 m² e orientado entre sudeste e sudoeste.

Se já tiver instalada uma caldeira ou termoacumulador elétrico, escolha uma solução compatível, ou seja, que possa ser ligada diretamente ao painel solar. Este deve ser instalado com inclinação idêntica à latitude da localidade onde vive. Em Lisboa, 39º, no Porto, 41º, e, em Faro, 37º.

As tubagens de ligação de água quente devem ser isoladas. Num prédio, é mais difícil ligar os painéis aos apartamentos, o que, na maioria dos casos, pode inviabilizar a instalação. Além disso, precisa da autorização do condomínio.

Os sistemas de pré-aquecimento solar com apoio de esquentador a gás natural são mais eficientes e emitem menos CO² do que os kits com apoio elétrico. Nos kits com tanques horizontais, o apoio elétrico deve incluir um programador para impedir que a resistência esteja sempre ligada. Se comprou um termossifão, verifique se a resistência elétrica está munida de programador horário, para limitar o período de funcionamento e aproveitar bem o seu potencial.

fonte:http://www.deco.proteste.pt/energia/paineis-solares-termicos-comprar-e-manter-s645341/rss/1.htm

publicado por adm às 18:52

18 de Maio de 2011

Um engenheiro da Universidade do Missouri, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo tipo de painel solar flexível que é capaz de captar até 90% da luz do sol disponível, contra os 20% dos painéis atuais. O segredo de sua criação é a possibilidade de capturar a energia em uma faixa de frequência muito maior.

O engenheiro Patrick Pinhero explica que os métodos tradicionais fotovoltaicos apenas abrangem uma pequena faixa do espectro solar (faixa de frequências da radiação eletromagnética proveniente do Sol), o que limita sua eficiência, conta o site TG Daily. O aparelho é formado por um conjunto de antenas organizadas em uma fina folha e capazes de capturar uma fração muito maior da energia solar.

O dispositivo do engenheiro é também capaz de transformar o calor industrial em energia, explica o site Fast Company. Este “calor industrial” é a radiação no infravermelho que representa, grosso modo, o calor. Ou seja, o dispositivo desenvolvido por Pinhero é capaz de transformar o calor proveniente de processos industriais em energia.

Pinhero espera que protótipos estejam prontos dentro dos próximos cinco anos e acredita que seu custo será relativamente baixo, possibilitando a adoção em massa dos novos painéis.

MIT também trabalha para aumentar a eficiência de painéis solares, porém com uma abordagem um tanto diferente. Pesquisadores do instituto utilizam vírus e nanotubos de carbono para aumentar a eficiência na captura de elétrons (goo.gl/iGpk2).

fonte:http://dpavani.geek.com.br/

publicado por adm às 21:53

27 de Abril de 2011

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, descobriu uma forma inusitada de melhorar a eficiência na conversão de energia solar em elétrica: por meio do uso de vírus.

O estudo, publicado na revista Nature Nanotechnology, emprega também nanotubos de carbono para aumentar a eficiência no agrupamento de elétrons na superfície da célula solar para a produção de corrente elétrica.

Essa propriedade dos nanotubos era conhecida, mas seu uso em tal aplicação era prejudicado por dois problemas. Em primeiro lugar, sua fabricação produz geralmente uma mistura de dois tipos: semicondutor e metálico. Outro problema é que os nanotubos tendem a se aglutinar, o que reduz sua eficiência.

A nova pesquisa mostrou que os efeitos dos dois tipos de nanotubos são diferentes e que os semicondutores podem melhorar o rendimento das células solares, enquanto os metálicos têm o efeito oposto.

Para resolver o problema do aglutinamento dos nanotubos, entram em cena os vírus. Xiangnan Dange colegas observaram que uma versão modificada geneticamente de um vírus conhecido como M13, que geralmente infecta bactérias, pode ser usada para controlar o arranjo de nanotubos em uma superfície, mantendo-os separados e isolados de modo que eles não grudem uns nos outros nem causem curtos-circuitos.

Nos testes, a estrutura com vírus aumentou de 8% para 10,6% a eficiência da conversão energética. Os cientistas do MIT usaram um tipo de célula solar de baixo custo na qual a camada ativa é composta de dióxido de titânio, mas afirmam que a técnica pode ser aplicada em células convencionais de silício.

O conjunto de nanotubos e vírus representa um peso ínfimo, de aproximadamente 0,1% da célula solar.

Os vírus realizam duas funções diferentes no sistema. Primeiramente, eles fazem com que pequenas proteínas (peptídeos) se unam fortemente aos nanotubos, mantendo separadas as minúsculas estruturas de carbono. Cada vírus é capaz de segurar até dez tubos, cada um mantido por 300 peptídeos.

Além disso, os vírus foram induzidos geneticamente para produzir um filme de dióxido de titânio – ingrediente fundamental para as células solares utilizadas – sobre cada um dos nanotubos, aproximando o dióxido de titânio dos nanotubos que transportam os elétrons.

As duas funções foram realizadas alternadamente, por meio da mudança da acidez do meio no qual os vírus se encontram. Segundo os autores do estudo, essa troca de função também foi demonstrada pela primeira vez.

fonte:http://noticias.uol.com.br/u

publicado por adm às 22:24

03 de Abril de 2011

Investir num modelo de energia solar é uma opção que faz cada vez mais sentido.

Eectricidade solar ou energia fotovoltaica é a produção de energia eléctrica a partir da radiação solar. E apesar de ainda haver um longo caminho pela frente no que respeita à massificação deste tipo de energia limpa nas casas e nas empresas portuguesas, começa a haver mais informação e uma maior consciência dos benefícios que o investimento num modelo de energia solar pode trazer. É que "um sistema bem dimensionado permite poupar até 70% da energia necessária para o aquecimento de água que é usada", avança Pedro Almeida, engenheiro mecânico a trabalhar na área da consultoria energética. O mesmo responsável acredita na "massificação da produção, no futuro será uma realidade ver grande parte dos edifícios com esta tecnologia instalada" e lembra apenas o caso da Alemanha. Se este país, com menos horas de sol,tem uma área colectora instalada muito superior à portuguesa, então, facilmente se percebe que Portugal pode facilmente atingir esse objectivo de massificação. Mas antes de investir há um conjunto de questões que precisa de perceber. O Diário Económico, com a ajuda de especialistas do sector, responde às perguntas de quem está a estudar a hipótese de instalar um sistema de energia solar.

1 - Em que tipo de estrutura arquitectónica é mais fácil a implementação de painéis solares? 
A implementação de painéis solares torna-se mais fácil em estruturas de baixa altura e de preferência unifamiliares como moradias e edifícios de serviços com um a dois pisos.

2 - Que tipos de painéis solares existem ?
Cerca de 90% dos painéis solares eléctricos instalados no mundo são feitos de silício cristalino, embora alguns fabricantes que produzem painéis em silício amorfo. Os pequenos painéis que alimentam algumas maquias de calcular são também de silício amorfo. Outros fabricantes ainda produzem os chamados painéis de filmes finos, utilizando células solares de materiais com o cadmium telluride (CdTe) ou o Cobre Indio Desilenio (CuInSe2 ou CIS).

3 - Quanto custa montar um sistema solar numa moradia?
É difícil dizer com exactidão qual o preço, pois esse irá sempre variar em função de várias variantes. Não depende apenas da dimensão da casa, mas também de todos os consumos feitos nessa casa e do número de utilizadores desse agregado familiar. Mas o custo final da implementação de um sistema solar está também dependente das dificuldades de montagem, da intensidade de radiação solar. Mas montar um sistema solar numa moradia unifamiliar ou edifício com dois utilizadores poderá representar entre os 2000 a 3000 euros. É importante ter em conta ainda os custos da manutenção.

4 - É possível montar painéis solares também em prédios? 
Sim, é possível. Mas é sempre uma situação onde, na generalidade dos casos, é mais difícil conseguir a concordância de todos os condóminos para fazer esse investimento. A dificuldade encontra-se no consenso de todos e não na inviabilidade da instalação. Nos prédios poderá dar-se a instalação de painéis solares nos telhados ou a sistemas independentes por condómino, embora a melhor solução seja sempre um sistema colectivo que abranja todas as fracções.

5 - E quando terei o retorno do investimento?
Dependendo da utilização, o retorno do investimento só acontece no espaço de oito a dez anos.

6 - O que preciso de saber antes de decidir pela implementação de um sistema solar em casa?
Tem que ter presente quais são os seus hábitos de consumo energético, saber quais são as suas necessidades reais em cada mês par, assim, fazer contas. Precisa sempre de fornecer estas informações na altura de encomendar ou discutir sobre o modelos de sistema solar ideal para a sua casa. Recapitulando, precisa de saber: número de utilizadores, consumos estimados, local de instalação/radiação solar, horário de consumo. A actual legislação fala num consumo de 40 litros/dia/pessoa.

7 - De quanto em quanto tempo é preciso fazer manutenção ao sistema de energia solar? 
Se muitos dos sistemas solares instalados nos anos 90 acabaram por se avariar tal ficou-se a dever precisamente à falta de manutenção. Hoje, sempre que é feita a instalação de um colector solar faz-se também um contrato de manutenção a seis anos com uma empresa certificada. A manutenção deverá ser feita todos os anos e consiste na verificação da operacionalidade de todos os equipamentos instalados, isto é, perceber se está tudo a funcionar correctamente. Um sistema solar é fabricado para durar entre 20 a 25 anos. Caso não seja feita a sua manutenção poderá ter um período de vida de apenas cinco a dez anos.

8 - É possível ser-se auto-suficiente energeticamente com a energia solar e fotovoltaica? 
"Ainda que fosse possível, não é desejável", responde João Carvalho, vice-presidente da APISOLAR - Associação Portuguesa da Energia Solar. "A segurança do abastecimento passa pela exigência de um mix energético equilibrado", acrescentou o mesmo responsável.

9 - Quais as zonas do país mais favóráveis ao desenvolvimento de energia solar?
Atendendo que Portugal é um dos países da Europa com maior radiação solar, qualquer ponto do País é excelente para a produção de energia solar. João Carvalho explica que até os "locais com recursos solar mais pobre são ainda muito mais atractivos de que os melhores locais em países onde a tecnologia se encontra amplamente difundida, como a Alemanha." A zona mais interessante para Daniel Montoro, scientific officer da EPIA, "é, sem duvida, Sagres."

10 - E quando não há sol? No Inverno os painéis solares térmicos também funcionam?
Sim. Em média, a energia solar disponível no Inverno fornece cerca de 60% das necessidades. Quando há dias de pouco Sol, o sistema de apoio entra em funcionamento. Nestas alturas posso utilizar a energia acumulada em baterias ou se estiver ligado à rede eléctrica, posso utilizar electricidade directamente da rede.

11 - Quantos anos pode durar um painel?
Grande parte dos fabricantes oferece garantias de 25 anos. Mas claro que tem de ser sempre assegurada a manutenção do equipamento, até porque há componentes como baterias ou circuitos electrónicos de controlo que tem um tempo de vida mais curto, que põem variar entre os três e os 15 anos

12 - Ainda preciso de gás ou electricidade depois de adquirir um painel solar térmico?
Sim, mas este é um recurso que acaba por ser entendido apenas como um apoio ao sistema solar. O sistema será instalado dando prioridade ao Sol garantindo que toda a energia gratuita é aproveitada permitindo assim que a redução possa atingir os 70% (considerando um ano de utilização) e que durante os meses de Verão a energia de apoio (gás ou electricidade) não seja sequer consumida.

13 - Se tiver um painel solar térmico, deixo de ter custos com água quente no futuro?
O sistema termossifão 200l e 300l, permitem poupar até 70% dos custos para preparar a água quente. Não é totalmente isento de custos, dado ter que instalar o sistema solar, mas reduz significativamente os custos da energia para aquecimento da água, uma vez que a energia do Sol é gratuita. A recuperação do custo da instalação é feita com as poupanças de energia ao longo de poucos anos.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

 

publicado por adm às 23:10

02 de Abril de 2011

O Instituto do Cliente negociou com as melhores marcas de painéis solares descontos até 25 por cento. Os sócios desta entidade poderão, assim, beneficiar de um preço especial no investimento de energias renováveis.

Ricardo Martins, administrador do Instituto do Cliente, refere que «já está garantida a criação de linhas de crédito para financiar o investimento», o que facilitará a tomada de decisão dos clientes para a aposta no investimento.

«Com este investimento, o cliente particular pode conseguir um rendimento superior a 45 mil euros em pouco mais de 20 anos. No que diz respeito ao mercado empresarial, o retorno esperado varia entre os 100 mil e os 200 mil euros», lembra ainda o responsável.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:21

14 de Março de 2011

O potencial dos painéis solares é cada vez maior. Esta forma de produzir eletricidade é apoiada por numerosos projetos europeus.

“Esta é uma célula solar do nosso módulo que detém o recorde mundial em termos de eficiência de conversão”, afirma Axel Metz, responsável do Departamento de Investigação e Desenvolvimento da empresa alemãSCHOTT Solar.

“A eficiência de conversão é a fração de luz do sol convertida em eletricidade. Com uma taxa de 18 por cento é o dispositivo mais eficiente fabricado até agora”, explica o responsável.

Para aumentar a eficiência das células solares, todas as fases da cadeia produtiva têm de ser melhoradas.

“As células solares que fazemos são produzidas a partir de cristais policristalinos. O primeiro passo é construir a estrutura de emissor na parte da frente da bolacha fotovoltaica, em seguida, o revestimento antirreflexo é depositado, a parte de trás da bolacha é revestida com alumínio, e na parte da frente coloca-se uma grelha de metal para a recolha de eletrões “, explica Klaus Wangemann da empresa.

Com a criação de melhores materiais e a otimização da produção, os engenheiros europeus atingem o máximo de potencial da tecnologia das células solares. O objetivo é converter rapidamente estes conhecimentos em produtos.

“É por isso que insistimos no uso de equipamentos de produção de alta qualidade durante a investigação. Isso permite passar rapidamente para a fase da produção e alcançar lucros”, afirma Wangemann.

Além da redução de custos para o consumidor, os painéis solares inovadores têm menos impacto ambiental e uma vida mais longa.

“Muitas pessoas pensam que os módulos fotovoltaicos não compensam a quantidade de energia gasto para produzi-los, mas isso é errado, como demonstra este projeto: em menos de dois anos foi possível recuperar a energia, mesmo na nebulosa Alemanha!”, conclui Axel Metz.

fonte:http://pt.euronews.net/

publicado por adm às 22:03

17 de Dezembro de 2010

A empresa Eurener Portugal, instalada no Polígono Industrial do Ameal, concelho de Torres Vedras, vai iniciar hoje a produção de painéis fotovoltaicos. Com meia centena de trabalhadores e capacidade de produzir um painel a cada dois minutos e meio, as instalações são esta manhã inauguradas pelo ministro da Economia, Vieira da Silva.

O projecto levou um ano a desenvolver-se, até começar agora a produção. “A meta é atingir um painel fotovoltaico a cada minuto e meio”, adiantou Luís Rodrigues. Em velocidade de cruzeiro seria assim possível produzir 570 painéis por dia.

Os painéis fotovoltaicos produzem energia eléctrica a partir da energia solar e “podem ser integrados em diversos tipos de parques de energia”.

A Eurener Portugal tem já uma carteira de encomendas, para a Europa, na ordem dos 45 milhões de euros e que garante trabalho durante todo o ano de 2011. Segundo Luís Rodrigues, para este sucesso inicial de vendas “contou a parceria com a empresa Eurener Internacional”.

A partir de Janeiro a fábrica de painéis solares fotovoltaicos passa a trabalhar em quatro turnos e não pára ao fim-de-semana. Os trabalhadores recrutados fizeram formação no Cenfim em Torres Vedras e numa fábrica espanhola.

A empresa conta aumentar o quadro de pessoal a partir do verão, para fazer face às encomendas que já preenchem todo o ano de 2011.

fonte:http://www.oesteonline.pt

publicado por adm às 22:44

21 de Novembro de 2010

A indústria de produção de paineis solares fotovoltaicos da China poderá ter uma produção acima da demanda no próximo ano porque a fabricação deverá quase dobrar este ano, informaram nesta quinta-feira especialistas do setor. 
A produção deverá atingir entre sete e oito mil megawatts este ano comparando com 4.011 megawatts do ano passado, o que poderia responder por mais de 50% da capacidade total do mundo, disse o presidente da Sociedade de Energia Renovável da China, Shi Dinghuan, durante uma reunião na cidade de Nanjing, leste do país. 
A indústria chinesa vem crescendo mais rapidamente do que a taxa média mundial desde 2004, disse o chefe do comitê fotovoltaico da organização, Zhao Yuwen. Em 2003, a fatia de mercado mundial possuída pela China foi de menos de 2%, disse. 
Estima-se que a capacidade instalada total de células fotovoltaicas do mundo aumente por mais de 65% anualmente para 12,2 mil megawatts este ano, disse Shi Zhengrong, presidente e diretor-executivo do fabricante chinês de paineis solares, Suntech Power Holdings Co., Ltd.. 
A indústria poderia enfrentar capacidade excessiva em 2011 devido à recuperação econômica lenta em vários países europeus, que resultou em aumento vagaroso de investimento em energia limpa, advertiu Shi. 
Os fabricantes de paineis solares da China precisam ser cautelosos sobre a expansão de produção, porque 95% das suas produções dependem das exportações.

fonte:br.china

publicado por adm às 00:25

pesquisar
 
arquivos
2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


links