23 de Dezembro de 2011

O colapso da fabricante alemã de painéis solares Solar Millenium coloca em evidência as sérias dificuldades que o ramo vem atravessando. Dumping chinês e excesso de produção mundal são apontados como causas.

Nos Estados Unidos, a fabricante de equipamentos solares SES já abriu falência, assim como a Evergreen Solar e a Spectrawatt. Na Alemanha, há pouco menos de uma semana, a empresa fotovoltaica Solon pediu concordata. Agora foi a vez da Solar Millenium, de Erlangen.

Também em outras representantes do setor, os prejuízos estão na ordem do dia. Além da Conergy, de Hamburgo, também fecharam o ano no vermelho a ex-empresa-modelo Q-cells e a Phoenix Solar da Baviera. O excesso mundial de produção e o dumping agressivo da China são apontados como causas da extinção em massa das empresas de energia solar.

 

Em outubro último, a subsidiária da alemã SolarWorld e mais seis empresas norte-americanas entraram com uma petição ao Departamento norte-americano de Comércio e à Comissão Internacional de Comércio. As fabricantes de sistemas solares acusam a China de concorrência desleal. Segundo elas, com 21 bilhões de euros em créditos a juros mínimos, o país estaria financiando a expansão de suas empresas. Estas, por sua vez, ofereceriam seus produtos até 30% abaixo dos custos de produção.

Corrida por subsídios

No entanto, tende-se a esquecer que a energia fotovoltaica alemã também é subsidiada. Ainda que indiretamente, através de tarifas de aquisição garantidas, definidas na Lei de Energias Renováveis. Uma outra verdade sobre a indústria solar no país é que cidades estruturalmente fracas da antiga Alemanha Oriental atraíram firmas de energia solar, com incentivos e subsídios.

No entanto, declarou David Wedepohl da Confederação alemã da Indústria Solar, a situação na China é bem diferente da situação na Alemanha. No país asiático, apenas as empresas nacionais recebem empréstimos a juros baixos. Já na Alemanha, as mesmas regras são aplicadas para empresas locais e estrangeiras. Enquanto estrangeiras como a Sharp e a First Solar investiram na Alemanha e encontraram o mercado aberto, em princípio o mercado interno chinês está fechado para as empresas alemãs.

Ein Solarpanel steht am 16.11.1999 an der Produktionsstraße der Solarzellenfabrik der Deutschen Shell AG in Gelsenkirchen. In dem Werk, das am 16. November eröffnet wurde und als eine der weltweitgrößten Solarzellenfabriken gilt, sollen in der Endstufe Solarzellen von insgesamt 25 Megawatt Leistung produziert werden. In direkter Nachbarschaft steht eine Produktionsstätte für einsatzfertige Solarmodule. Über die Ansiedlung einer weiteren Fabrik für Vorprodukte für Solarzellen in Gelsenkirchen wird derzeit noch verhandelt.Os preços dos módulos solares cairam pela metade.

 

 

Além disso, muitas das empresas do setor, inclusive alemãs, sofrem atualmente com uma queda de preços extraordinariamente acentuada. "É uma consequência do excesso de produção em todo o mundo", explicou Wedepohl à Deutsche Welle. Especialmente na Ásia, o número de fábricas cresce mais rápido do que o mercado mundial.

Nos últimos tempos, diversos países europeus realizaram corte bilionários de seus subsídios para a energia solar. Também a Lei de Energias Renováveis alemã prevê uma redução anual das tarifas de aquisição. Os mercados externos não são capazes de compensar queda da demanda na Alemanha: segundo Wedepohl, desde 2008 os preços dos módulos solares caíram pela metade.

Texto: Jutta Wasserrab (ms)
Revisão: Augusto Valente

fonte:http://www.dw-world.de/

publicado por adm às 11:18

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


pesquisar
 
arquivos
2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


links