06 de Outubro de 2011

Air Liquide está a reforçar o seu papel no sector fotovoltaico solar, através a assinatura de vários contratos de longo prazo em países como Estados Unidos, China, Índia, Vietname ou Marrocos.

“Estes novos contratos comprovam a qualidade da oferta de Air Liquide para o sector solar em regiões estratégicas e de forte crescimento. A actividade fotovoltaica situa-se no cruzamento entre os sectores da Energia e do Ambiente e apela a soluções de Alta Tecnologia, três pilares de crescimento do grupo Air Liquide”, explicou em comunicado o director da actividade electrónica do grupo Air Liquide, Francisco Martins.

A procura mundial de electricidade está a aumentar e deverá atingir 26 000 TWh em 2020. Na China, por exemplo, a procura de electricidade deve triplicar no decurso dos próximos 20 anos.

“No âmbito da dinâmica que visa incrementar a produção mundial de electricidade, as tecnologias solares fotovoltaicas impõem-se cada vez mais como uma solução essencial que permite dar resposta às necessidades energéticas do futuro”, explica a Air Liqued.

Até 2010, 80 % da procura de energia fotovoltaica estava concentrada na Europa. Actualmente, a procura provém de novas regiões como os Estados Unidos, onde foram implementadas políticas Renewable Portfolio Standards (RPS) em alguns estados – ou ao abrigo de contratos federais de compras -, mas também da China e do Japão, onde vão passar a vigorar políticas de tarifas subvencionadas. Os próximos mercados serão a Índia e o Médio Oriente/Norte de África.

Actualmente, a rápida descida dos custos de fabrico induz uma real expansão das instalações solares nestes novos mercados de elevado crescimento. Assim, é essencial que os intervenientes no sector solar possam dar resposta à procura de energia fotovoltaica nestas regiões.

Conheça melhor os contratos agora assinados pela Air Liquide.

Estados Unidos: a Stion escolheu a Air Liquide para o fornecimento de gases especiais e equipamentos associados, destinados à sua nova unidade de fabrico implantada no Mississipi. Fabricante de painéis solares de película fina de elevada eficiência, a Stion estabeleceu em 2010 uma parceira estratégica com a TSMC, líder mundial na fundição de semicondutores, diversificando assim as suas actividades no sector solar. Até 2020, a potência fotovoltaica instalada nos Estados Unidos deverá ultrapassar os 30 GWp.

China: Neste País, a Air Liquide vai passar a fornecer gases especiais e precursores em grande quantidade, bem como Equipamentos e Instalações, ao maior fabricante de painéis de película fina em silício do Sul da China. A China definiu como objectivo ultrapassar os 50 GWp de potência fotovoltaica instalada, até 2020.

Índia: a Air Liquide foi seleccionada para fornecer gases vector em grandes quantidades à nova unidade de fabrico de silício policristalino e de wafers de um importante conglomerado. A Índia definiu como novo objectivo atingir uma potência fotovoltaica instalada de 20 GWp até 2020.

 

Vietname: a Air Liquide foi seleccionada para fornecer as novas instalações de um líder mundial no fabrico de células solares na cidade de Ho Chi Minh.

 

Marrocos: a Air Liquide estabeleceu uma parceria com MedZ no sentido de apoiar o desenvolvimento de iniciativas locais de fabrico a partir das tecnologias de película fina em silício, ao abrigo do programa solar nacional, cujo objectivo consiste em elevar a potência solar instalada a vários GW ao longo dos próximos anos.

fonte:http://www.greensavers.pt/

publicado por adm às 23:33

A Martifer Solar, detida pela Martifer SGPS, assinou um acordo com uma empresa gerida pela BNP Paribas Clean Energy Partners para a construção de uma instalação solar fotovoltaica de 22 MWp em Portugal. 

Além da implementação técnica do projecto, a Martifer Solar será também responsável pelo fornecimento e instalação chave-na-mão de todo o equipamento necessário. O parque fotovoltaico deverá estar concluído no primeiro semestre de 2012. 

O parque deverá produzir 37,4 GWh/ano, o equivalente ao consumo médio de mais de 10 000 famílias portuguesas, o que evitará a emissão de cerca de 15 200 toneladas de CO2 por ano para a atmosfera. 

Em comunicado, Henrique Rodrigues, CEO da Martifer Solar, diz este projecto mostra a capacidade da Martifer Solar «para atrair investimento estrangeiro para o sector das energias renováveis em Portugal, apesar da actual conjuntura económica difícil».

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:30

04 de Outubro de 2011

 

Ares futuristas começam a recobrir um histórico símbolo da capital inglesa. Construída na era do vapor, em 1886, a ponte de Blackfriars, sobre o rio Tâmisa, emLondres, se tonará em breve a maior ponte solar do mundo.

A estrutura vitoriana passa por um retrofit, com conclusão em 2012, para se transformar em uma estação de trem movida pela energia gerada por mais de 4 mil paineis fotovoltaicos.

A largada para a modernização da ponte ferroviária foi dada nesta terça, com a instalação do primeiro painel solar. Ao final, serão seis mil metros quadrados de teto solar, o maior do mundo, capaz de produzir 900 mil kWh anualmente.

Quando concluída, a nova estação deverá receber 24 trens por hora. Metade da energia necessária para essa movimentação será suprida pela geração alternativa, o que vai evitar a emissão de 511 toneladas de CO2 na atmosfera.

A empresa por trás da engenharia solar e da instalação é a londrina Solarcentury. Os módulos solares de alta eficiência utilizados são fabricados pela SANYO Electric Co. Uma outra ponte solar conhecida no mundo é a passarela Kurilpa em Brisbane, Austrália, e, mais recentemente, a Bélgica instalou um teto solar sobre uma estação de trem.

fonte:http://exame.abril.com.br/

publicado por adm às 22:39

03 de Outubro de 2011

Em breve todos os parques em Dubai usarão luzes movidas a energia solar, em uma tentativa de reduzir o consumo de eletricidade e minimizar o consumo de recursos naturais.

 

"Todas as luzes em nossos parques serão solares. Nós já começamos a implementá-las e, gradualmente, irá abranger todos os parques. Esta é uma das nossas muitas iniciativas para o desenvolvimento sustentável", disse Hussain Nasser Lootah, diretor-geral do Município de Dubai ao site Gulf News.

Lootah disse que as cidades do século 21 devem evoluir para centros de progresso, que servem como forças para o avanço nacional e global. Nenhuma entidade pode fazer isso sozinha, disse, mas terá indivíduos, empresas e todos os níveis de governo trabalhando juntos para alcançar essas metas. Os líderes do futuro têm a responsabilidade de fazer essa transição acontecer, acrescentou.

O município terminou o trabalho em um parque na zona de Al Sofouh que utiliza sistemas de iluminação solar. Construído em uma área de 1,55 hectares, o parque foi o primeiro a usar esta tecnologia em Dubai.

Lootah também destacou a visão e a estratégia para a cidade nos próximos anos, incluindo as áreas de foco e que iniciativas serão postas em prática para levar adiante uma estratégia sustentável.

O Plano Estratégico do Município visa aumentar a área verde per capita da cidade para 23,4m2. Ele também pretende aumentar a proporção de terras cultivadas em áreas urbanas públicas para 3,15% até o final de 2011.

“Dubai é uma das cidades mais bonitas e tem visto um grande desenvolvimento no passado. Isso tem dado uma boa qualidade de vida, mas houve efeitos colaterais deste desenvolvimento, como o aumento da produção per capita de lixo, o alto consumo de gasolina e alto consumo de eletricidade", disse ele.

"Precisamos garantir um desenvolvimento sustentável e adotar maneiras mais respeitadoras do meio ambiente, como reciclagem de água de esgoto para usá-la na irrigação" disse Lootah.

O município também está trabalhando para converter todos os seus carros oficiais de gasolina para gás. "Nós já convertemos cinco carros. Todos os nossos mil carros serão movidos a gás natural comprimido (CNG)," disse o diretor geral do município.

fonte:http://exame.abril.com.br

publicado por adm às 22:32

01 de Outubro de 2011

 

Células solares CIGS

Pesquisadores do laboratório suíço EMPA bateram um novo recorde de eficiência em suascélulas solares CIGS.

CIGS é uma sigla formada pela iniciais de cobre, índio, gálio e selênio (na verdade um disselento), os materiais usados na construção da célula solar.

Este tipo de célula pode ser fabricado em filmes plásticos e até por impressão jato de tinta.

 

  • Células solares são impressas por jato de tinta

 

A menor eficiência das células solares CIGS - em relação às células fotovoltaicas de silício - deve-se principalmente à baixa temperatura que deve ser usada para que elas sejam aplicadas sobre o plástico.

Os pesquisadores suíços, que trabalham tanto com substratos plásticos quanto de vidro, conseguiram baixar a temperatura ótima para a deposição sem perder eficiência.

Pinturas solares

O novo processo permitiu atingir um recorde de 18,7% na conversão solar-elétrica quando as células CIGS são aplicadas sobre plástico.

Isto as coloca praticamente em pé de igualdade com as células solares de silício, mas com duas vantagens substanciais: um custo muito menor e a flexibilidade do plástico.

Os pesquisadores também demonstraram que o processo é adequado para a aplicação das células solares sobre metais, incluindo o aço- neste caso, a eficiência atingida foi de 17,7%.

Isso abre caminho, por exemplo, para a criação de "pinturas solares" para carros elétricos, que ajudarão a carregar as baterias, assim como o uso da energia solar em uma infinidade de aplicações onde a instalação dos pesados painéis solares atuais não é adequada.

Os pesquisadores criaram uma empresa, chamada Flisom, para aprimorar a aplicação do novo processo de baixa temperatura por um sistema industrial de fabricação contínua por impressoras de rolo (roll-to-roll).

Células solares flexíveis: CIGS e pontos quânticos batem recordes de eficiência
O avanço foi obtido encapsulando os pontos quânticos coloidais com uma única camada de átomos, o que permite seu adensamento. [Imagem: Tang et al./Nature Materials]

Célula solar de pontos quânticos

Por sua vez, um grupo de pesquisadores canadenses, sauditas e norte-americanos criaram a célula solar de pontos quânticos mais eficiente já fabricada até hoje.

Pontos quânticos são semicondutores em nanoescala que capturam os fótons e geram uma corrente elétrica.

Devido ao seu tamanho minúsculo, eles podem ser aspergidos sobre superfícies flexíveis, inclusive plástico. Isso os torna promissores para a fabricação de painéis solares mais baratos.

O avanço foi obtido encapsulando os pontos quânticos coloidais (CQD:collodial quantum dots) com uma única camada de átomos.

Isso é importante porque aumenta a densidade dos pontos quânticos, o que eleva o rendimento do painel solar como um todo. Quanto menor for essa camada passiva de aglomeração, maior é a densidade obtida.

"Nós descobrimos como encolher os materiais de passivação para o menor tamanho imaginável," disse Ted Sargent, da Universidade de Toronto, no Canadá, que tem um longo histórico no desenvolvimento desse tipo de célula solar.

O rendimento das células solares de pontos quânticos ainda é substancialmente menor do que as células solares de silício.

Mas o aumento agora obtido em sua eficiência e a possibilidade de sua aplicação por spray foram suficientes para que a empresa MaRS Innovations se interessasse pela tecnologia para levá-la ao mercado.

fonte:http://www.inovacaotecnologica.com.br/

publicado por adm às 20:04

pesquisar
 
arquivos
2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


links