14 de Maio de 2013

Há meia década, as energias renováveis foram vistas pelo Governo português como nucleares no desenvolvimento económico, energético e social do País, sendo mesmo uma das principais bandeiras de José Sócrates, primeiro-ministro entre 2005 e 2011.

Hoje, a crise económica e a política de austeridade, em Portugal, retirou às renováveis parte da sua importância no contexto sócio-económico do País.

Na verdade, e apesar de Portugal ser um dos países da Europa com maior exposição solar, ele é somente o 12º do ranking dos maiores produtores de energia sola na Europa, segundo a EPIA (European Photovoltaic Industry Association), com uma potência total instalada de 0,23 GW.

Países com uma exposição solar significativamente inferior, como a Alemanha ou Bélgica, têm 32,3GW e 2,6GW de potência solar fotovoltaica instalada, respectivamente.

Na sexta-feira, Dia Internacional do Sol, o director-geral da Ikaros-Hemera, Duarte Caro de Sousa, publicou um relatório em que enumera as 10 razões para Portugal investir na energia solar fotovoltaica. Veja-as aqui.

10 razões para Portugal investir na energia solar fotovoltaica

1. A produção descentralizada permite o consumo no local da produção – poupa recursos e chega a lugares remotos

2. Retorno muito atractivo para clientes e investidores face aos baixos riscos envolvidos – tanto na perspectiva actual de venda de energia à rede, como num futuro próximo, na perspectiva de autoconsumo, quando o net-metering for uma realidade

3. Fixação do preço da energia para os próximos 25 anos – sabemos quanto iremos pagar pela energia que será produzida pelo sistema fotovoltaico

4. Estamos próximos da paridade de rede, momento em que não precisaremos de subsídios para investir – o fotovoltaico passará ser das medidas que mais vai contribuir para os projectos de eficiência energética e irá competir directamente com as fontes tradicionais

5. Redução da dependência fóssil – contributo para a independência energética nacional

6. Aproveitamento de coberturas e espaços que actualmente não têm utilidade

7. Energia 100% limpa – reduz as emissões de gases que contribuem para o efeito de estufa, preocupação na utilização de materiais recicláveis

8. Criação de postos de trabalho em áreas distintas, tanto ao nível geográfico como de sector

9. Oportunidade de desenvolver competências que depois poderão ser exportadas para outras geografias

10. Geração de negócio para micros e pequenas empresas – criação de emprego, formação e crescimento

fonte:http://greensavers.sapo.pt/2

publicado por adm às 23:58

pesquisar
 
arquivos
2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


links